Dor de mulher

Vida Universitária
Typography

Muitas mulheres, antes e durante o período menstrual, sentem aquela dor que faz com que elas se revirem na cama a noite e pensem em “soluções de vó”, como tomar um chá de gengibre ou calêndula.

A cólica menstrual, ou dismenorreia, é a causa dessa agonia. A cólica, alvo do desdém daqueles que não entendem o seu funcionamento, é uma dor pélvica provocada pela liberação de prostaglandina, substância que faz o útero contrair para eliminar a camada interna que cresce para nutrir o embrião, em forma de sangramento durante a menstruação, quando o óvulo não é fecundado.

Nem todas as mulheres no ciclo menstrual sentem dismenorreia e as que a sentem não as experimentam da mesma forma. A dor pélvica aparece em diferentes intensidades que dependem da força da contração provocada no ventre. De acordo com o nível da dor, a cólica pode ser acompanhada de enjoos, diarreia, vômitos, cansaço, vertigens e desmaios.

Além da variedade de níveis de potência, a dismenorreia possui dois tipos de ocorrência. O tipo primário, presente na vida da mulher desde a primeira menstruação, tem natureza desconhecida e é inerente ao organismo feminino. O segundo, o secundário, pode ser provocado por inflamações pélvicas, endometriose, miomas, entre outras doenças.

 

Como lidar com a cólica menstrual

. Evite levar uma vida sedentária. Exercícios abdominais alivia as dores causadas pela cólica.

. Coloque uma bolsa de água quente sobre a região abdominal.

. Não coma alimentos que retardam ou provocam fermentação, especialmente no período pré-menstrual.

. Beba bastante água.

. Não se automedique e procure assistência médica. É importante estabelecer um diagnóstico diferencial entre a dismenorreia primária e secundária para selecionar o melhor tratamento.

 

Confira a entrevista que a enfermeira Stephanie Marson concedeu ao Conecta sobre a cólica menstrual.

 1- O que é a cólica menstrual?

A menstruação em si é uma descamação do útero. É uma dor que pode ocorrer ou não já que algumas mulheres são mais sensíveis do que outras e sentem mais desconforto. Quando a cólica é muito intensa e até incapacitante nós precisamos investigá-la. Algumas doenças como endometriose e doença inflamatória pélvica podem causar essa dor mais intensa.

 2- Quais são as dúvidas mais frequentes das pacientes sobre a dismenorreia?

As pacientes geralmente têm curiosidade relacionada com as suas vivências e crenças. Em relação à menstruação, as perguntas mais frequentes são sobre ciclo menstrual, anticoncepcional, período fértil.

3- De acordo com a dor que a mulher está sentindo, quais são os procedimentos médicos tomados?

Quando as mulheres chegam com uma queixa de dor abdominal muito intensa nós prescrevemos sintomáticos, colhe exames de rastreio e procura realizar exames de imagem como ultrassom, quando necessário. Tudo vai depender da clínica, do histórico da paciente, dos sinais e sintomas que ela está apresentando. Se for um caso grave e/ou urgência nós encaminhamos para a UPA, ou para o hospital de referência.

4- O que você aconselha para diminuir as dores da cólica menstrual?

Ela pode ser amenizada com descanso adequado, horas de repouso e sono, compressa aquecida na região mais dolorosa, chás como camomila e erva doce, analgésicos e anti-inflamatórios. Mas, para utilizar qualquer medicação, é importante consultar um profissional de saúde.

Inscreva-se através do nosso serviço gratuito de subscrição de e-mail para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.