Avengers Endgame: final à altura de uma das maiores sagas já feitas no cinema

Blog
Typography

Vingadores: Ultimato já estreou nos cinemas quebrando recordes de bilheteria no mundo todo, e é digno de toda a expectativa criada em torno do filme.

A conclusão da terceira fase da Marvel nos cinemas, juntamente com o fim do ciclo de alguns dos heróis, não poderia ser melhor. Um filme bem feito, cercado de referências às outras produções do Marvel Cinematic Universe (MCU) e até aos quadrinhos mais famosos da editora, como Império Secreto, que encerra a história criada ao longo de 11 anos e 22 filmes, e dá uma despedida digna àqueles que não farão parte dos próximos filmes.

Ao mesmo tempo, fica bem dentro do que se espera de um filme sobre super heróis, é divertido, tem momentos engraçados, outros dramáticos, mas é a história básica de heróis vencendo um vilão, com fanservice, uma belissíma batalha, e tudo que se tem direito, épico, com o tom certo pra uma despedida e um novo começo.

A narrativa do filme evolui de maneira rápida, começa lento, em um tom de luto, por tudo que aconteceu no filme anterior, já que esse é continuação direta de Guerra Infinita, mas avança muito bem, o clima de abate é rapidamente substituído por um misto de esperança, certo sentimento de vingança por tudo que Thanos fez, não há muito espaço para lamentações, os heróis começam a agir rápido.

A trama tem como elementos centrais os Vingadores originais do primeiro filme, de 2012, Tony Stark (Homem de Ferro), Steve Rogers (Capitão América), Thor, Bruce Banner (Hulk), Natasha (Viúva Negra), Clint Barton (Gavião Arqueiro, ou Ronin) junto do Scott Lang (Homem Formiga) e Nebulosa, destacando-se Steve e Tony, dois personagens com maior tempo de tela da produção, até por serem de certa forma os protagonistas da equipe.

O filme não desenvolve nenhum personagem em especial, entre os centrais ou secundários, mas isso não é nem de longe um problema, afinal, é a conclusão de uma saga e espera-se que quem vê conheça pelo menos o básico dos filmes. Apesar de tudo que tem de bom, não é perfeito, possui raros e pontuais defeitos, talvez o tom de humor seja um pouco exagerado em algumas partes, algo de certa forma incompatível com o clima presente no momento; apesar disso acaba sendo algo divertido, então, se isso é um problema ou não, varia muito de uma pessoa para outra.

Outro ponto negativo é que, dependendo da expectativa que se cria sobre a Capitã Marvel, por conta das declarações do Kevin Feige, dos trailers e da cena pós créditos de Guerra Infinita, elas podem não ser atendidas, a personagem possui muito pouco destaque na trama, acaba sendo menos importante que o Homem Formiga, de certa forma um alívio cômico na produção.

O longa pode não ser totalmente perfeito, possui uma falha ou duas na narrativa, mas são coisas tão pontuais que passam despercebidas para a maioria dos espectadores, talvez esse seja o melhor filme de uma equipe de super heróis já feito na história, não é um filme feito para levar o espectador a refletir sobre nada, é simplesmente um filme de heróis, feito pra quem gosta desse universo e nisso ele é praticamente impecável, a ponto de provocar aplausos e ovações nas salas de cinema.

A história não é inovadora em praticamente nada, mas é contada com o tom certo e tem cenas tão emocionantes que empolgam quem assiste de forma espetacular. A conclusão da saga da primeira equipe dos Vingadores no cinema não poderia ser melhor, Tony e Steve tem o final à altura do que construíram na Marvel, tendo seu momento de glória acima de todos.

Ultimato encerra com chave de ouro a história iniciada há quase 10 anos, ao mesmo tempo em que deixa brechas para os próximos filmes da produtora. A única dúvida que fica é se conseguirão manter o nível que alcançaram nesse filme.