×

Aviso

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 45

A mulher da minha vida

Blog
Typography

Descobrir minha beleza foi uma das maiores dificuldades na vida. Desde pequena, sempre me notei extremamente envolvida emocionalmente com as pessoas. Eu me perdia nas críticas de outras crianças e me devastei com as desilusões amorosas. Colecionei, acerca de mim mesma, pensamentos rudes e me dispus a acreditar em cada um deles. Com o tempo, mesmo que falassem o contrário, eu me via inferior.

O espelho era, pra mim, o pior dos infernos. Era ali que meu coração doía nas mais diversas instâncias. Eu não percebia que eu não era o que a vida tentava me tornar, eu não percebia que eu era simplesmente eu. Pura, nua, crua.


Um dia, então, mergulhada em catástrofes interiores, eu finalmente me descobri quando li: “Como você se imagina em sua alma, assim você é.” Foi como se ascendesse uma luz interior e toda a bagunça em minha mente foi revelada. Eu, então, poderia limpar cada sujeira, até que tudo ficasse limpo. Poderia demorar, ser gradativo, mas chegaria.


Foi revelador descobrir que simplesmente dependia de mim e não dos padrões ou pessoas. Foi maravilhoso descobrir que a ditadura da beleza se tornava fraca demais quando eu estava armada de autoconfiança. Foi incrível descobrir que o pensamento de outras pessoas era irrelevante quando o meu poderia realmente ditar quem sou. Foi uma delícia descobrir que, apesar de eu querer o “homem da minha vida”, eu poderia, acima de tudo, ser “a mulher da minha própria vida. ”


O amor me deu as mãos. O amor, principalmente por mim mesma, me tornou capaz de amar, de forma saudável, os outros. O amor me fez perceber que somos muito mais do que os olhos podem ver e que os elogios são “pobres”, perante a riqueza do que somos. Eu sou bonita e eu sou absolutamente feliz com o que sou. Nada pode mudar isso.